VIAJANDO PELA HISTÓRIA DO PORTO DA FIGUEIRA DA FOZ
Lugre «José Alberto» em dificuldades - Setembro de 1953


No verso de uma das fotografias de páginas do álbum divulgadas noutra notícia,encontramos a descrição que a seguir reproduzimos:

 

Estávamos a 24 de Setembro de 1953. Noutra das fotos, a legenda "Note-se o leme fora da água".

Tudo acabou em bem. O bacalhoeiro figueirense haveria de prosseguir na faina até 1968, quando naufragou devido a incêndio, durante a pesca no Virgin Rocks, Terra Nova.
 



O blog "
Navios e Navegadores" oferece-nos a "ficha" deste bacalhoeiro:

Armador : Sociedade de Pesca Oceano, Lda., F. da Foz
---------------
Nº Oficial : B-274 > Iic.: C.S.H.H. > Registo : Figueira da Foz
Construtor : H. C. Christensens, Warstre, Dinamarca, 1923
ex “Caroline”, Red. Damp-Og Seilskibs A/S, Marstal, 1923-1935
Tonelagens : Tab 687,21 to > Tal 442,99 to > 11.061 quintais
Cpmts.: Ff 59,90 mt > Pp 55,03 mt > Bc 9,87 mt > Ptl 3,49 mt
Máquina : Deutz, Alemanha, 1937 > 2:Di > 480 Bhp > 10 m/h
Equipagem : 69 tripulantes
Capitães embarcados : João de Deus (1935 a 1939)
Naufragou devido a incêndio durante a pesca no Virgin Rocks, Terra Nova, em 1968.


 Ainda sobre o "José Alberto", encontramos outras referências no blog "Aveiro e o seu distrito":

Até 1932, ano em que se iniciou mais uma fase da construção do porto [de Aveiro], a barra ora assoreava, ora dava relativo acesso à laguna. Os navios bacalhoeiros, quando muito carregados, iam aliviar a Leixões, precisamente como os navios da Figueira («José Alberto», «Comandante Tenreiro», «Sotto Mayor» e «Bissaia Barreto») vêm actualmente a Aveiro aliviar a carga de peixe, que depois é transportada em camionetas para aquela cidade. Pois naquela data o mesmo acontecia com Aveiro e Leixões, o que representava um encargo para os armadores da ordem dos 200 contos por navio. Parece que tudo isto está esquecido!

Nesse tempo fomos testemunha de encalhes de alguns bacalhoeiros à entrada da barra e em frente do Farol. A situação era alarmante. Tornava-se necessário agitar a opinião pública e alertar o Governo dos prejuízos que um tal estado de coisas causava à economia nacional.


Foto que integra a Exposição “Cais da Memória II”, na Sala 3 do Centro de Artes e Espectáculos da Figueira da Foz (CAE), até 30 de Setembro de 2012. 

PRIMEIRO VÍDEO-FOTO COM 30 FOTOGRAFIAS DA EXPOSIÇÃO

VEJA O SEGUNDO VÍDEO-FOTO COM 30 FOTOGRAFIAS DA EXPOSIÇÃO

Cais da Memória II cumpre, em fotografias, segundo episódio de uma viagem pelo porto e cidade da Figueira da Foz de outros tempos. Até 30 de Setembro estarão patentes 150 tomas fotográficas, álbum aberto a 15 de Fevereiro de 1941, fechado a 9 de Junho de 1956.

As fotografias integram o espólio do Arquivo Histórico-Documental do Porto da Figueira da Foz (APFF, S.A.).

A divulgação do rico espólio fotográfico do Porto da Figueira da Foz teve início o ano passado, com a exposição “Cais da Memória I”, patente no Centro de Artes e Espectáculos (CAE), entre 23 de Julho e 21 de Agosto de 2011.

Para além da exibição em sala, a administração portuária disponibiliza sites e vídeos contendo a totalidade das fotos, a exemplo da prática seguida com a exposição inaugural, permitindo assim o usufruto do espólio agora exposto em sala a toda a comunidade com acesso à web.

SITE COM 60 FOTOGRAFIAS DA EXPOSIÇÃO

CATÁLOGO PDF - 154 FOTOS (52 páginas, 31 MB)

Alto Patrocínio | Comunidade Portuária da Figueira da Foz
Apoios | Município da Figueira da Foz | CAE – Centro de Artes e Espectáculos da Figueira da Foz