27 DE JUNHO DE 1953
Lançamento às águas do Mondego do arrastão «Almada»

Com a presença do comandante Américo Tomas, ministro da Marinha, acompanhado de altas individualidades ligadas à marinha mercante e aos organismos de pesca, realizaram-se a 27/06/1953, nos Estaleiros Navais do Mondego, no porto da Figueira da Foz, as cerimónias da colocação da quilha na carreira de construção e cravação dos primeiros rebites no navio-motor de pesca à linha CAPITÃO JOSÉ VILARINHO, que se destinava à firma de armadores de pesca do bacalhau, José Maria Vilarinho, de Ílhavo, cerimónia a que procederam o ministro da Marinha e o comandante Tenreiro, e do lançamento á agua do navio-motor de pesca por arrasto ALMADA, encomendado pela Companhia Portuguesa de Pesca, de Lisboa.

Pelas 16h00 começaram a afluir aos estaleiros numerosas pessoas que davam uma nota festiva naquele ambiente de trabalho que honrava a indústria da construção naval do País, nos seus tempos áureos.

Entre as pessoas de destaque da Figueira da Foz, viam-se os Snrs. Dr. Eugénio de Lemos, governador civil do distrito; Dr. Álvaro Malafaia, presidente da Câmara Municipal; comandante Gomes e Trindade, capitão do porto; tenente Celestino Soares, comandante da P.S.P.; capitão Pedro Vieira, comandante do Terço Independente da Legião Portuguesa; Dr. João Regueira, reitor do Liceu Municipal, e do Porto, os Srs. Dr. Júlio Mendes, Carlos Barbosa, Joaquim Bessa Araújo, Óscar Augusto Mendes e António Gonçalves Pinheiro.

Numa tribuna colocada diante da proa do arrastão ALMADA, Monsenhor José Lourenço dos Santos Paminhas, em representação do Sr. Bispo-conde de Coimbra, lançou a bênção à nova embarcação que ia ser lançada à água.

CONTINUE ESTA VIAGEM PELA HISTÓRIA, AQUI